Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2020

PARA A POSTERIDADE DO CINISMO E DA HIPOCRISIA!

                                                                     (Foto Record) Neste maldito e tenebroso ajuntamento, a que nem foi respeitado o devido distanciamento social, ainda bem que não aparece nenhum Benfiquista, porque isso seria uma desonra e uma ofensa ao nosso clube, andar misturado com os maiores mafiosos, corruptos e caloteiros que há no país, faltando apenas o presidente da Liga que se ausentou temporariamente do flash quando foi buscar ao carro o gel para o cabelo. Assim de repente, para os mais distraídos, esta imagem até poderia sugerir e confundir muita gente, pois mais parece uma cena de presos a serem libertados por perdão parcial de penas, proposto pelo Governo, no âmbito do combate à propagação do coronavírus. Mas pelos vistos trata-se de uma outra quadrilha, que esteve reunida em São Bento a negociar o regresso da vilanagem, perdão, do futebol, para alívio da imprensa desportiva avençada do país e da Sport TV de Joaquim Oliveira, a passarem por enor

Vieira,Pintinho, Vagandas, Facturas e Proênça em S.Bento! Só faltaram o Emplastro,Guarda Abel,Catão e Madureira.

"Aceitar ir com os presidentes da Liga e da federação por si só já era um estupidez. Agora o presidente do Sport Lisboa e Benfica aceitar ir com os presidentes de Porto e Sporting a uma qualquer negociação é um desrespeito. Em primeiro lugar ao Sport Lisboa e Benfica que tão enxovalhado foi por essa gente! Em segundo lugar aos atletas do Sport Lisboa e Benfica que foram postos em causa por essa gente. E em terceiro lugar aos adeptos que tanto sofreram de ataques vindos dessa gente, em especial alguns que aqui e em meios de comunicação social foram intransigentes a defender o clube nos seus piores momentos! Vamos dar a mão à quem nos tratou tão mal?! Vamos ser solidários a quem organizou uma campanha contra nós?! Vamos esquecer os padres?! As missas ?! As portas 18?! Se eu fosse presidente do Benfica e face a actual conjecturar se me viessem com essa da solidariedade diria ao senhor Proença e Fernando Gomes que não pedir ajuda e solidariedade ao Rui Pinto! Mas dirão

AQUI NINGUÉM SE ESCUSA POR SER DO BENFICA!

 Não cederemos ao “lobby” mafioso do norte, que em nome e representação de uma pretensa região, aplicam e fomentam os mesmos mandamentos aprendidos e decorados no clube, como o alcorão sagrado de um regionalismo fanático e libertador, quando ele próprio capturou e catequizou toda uma região e a moldou à imagem e brutalidade do seu presidente, mantido até hoje no poder, como a única forma de perpetuar todo este ódio e inveja, sobretudo a Lisboa, mas em particular ao Benfica, sempre que lhes sobe à pele a urticária deste provincianismo rebuscado e doentio. Ser do Benfica, resulta de uma vontade própria e intrínseca de uma identidade como povo e nação, que na sua esmagadora maioria, comprovadamente sentida e reconhecida, escolheu a cor vermelha e o símbolo da águia como a sua dilecta e preferida, contra todos os arrivistas maldosos e invejosos, acometidos de raiva e de sarna para se coçarem, que lançam contra nós um estigma e um preconceito inventados de modo a que não lhes perturbe a s

FUTEBOL SEM ADEPTOS? NÃO, OBRIGADO!

Com a anuência e aquiescência da UEFA e da FIFA, está-se a preparar o regresso do futebol mas sem adeptos e à porta fechada, tudo porque a ganância desmedida destas duas instâncias que superentendem as diversas ligas e federações, estão mais preocupadas em defender os seus coutos privados de negócios, do que propriamente em salvar ou dignificar o futebol. Por muitas voltas que se queiram dar, não existe futebol sem adeptos, e se um é a razão de existirem os outros, infelizmente, há por aí uns inteligentes amestrados que se acham no direito delegado de decidir pelos dois, agindo apenas por interesses e conveniências de agendas próprias de circunstância, quando nem se dão conta de que a paixão que existe no futebol só pode ser dada e transmitida pelo clamor e entusiasmo que vem das bancadas pelos adeptos. Lamentavelmente, o adepto normal, já pouco ou nada conta para o futebol de hoje, transformado vertiginosamente numa indústria aglutinadora e devoradora de muitos milhões de euros e

“dono daquilo tudo”

-  DE VER PESSOAS A DAR ENTREVISTAS COM FATO DE TREINO DO BENFICA, QUE JÁ FORAM O BRAÇO DIREITO DE PRESIDENTES DE OUTROS CLUBES QUE NOS ODEIAM  como aquele que, nos anos 80 ficou célebre por ter posto creolina no balneário do Benfica, num jogo em que garantimos o título, com 2 golos de César Brito, que obrigou Jorge de Brito a sair de ambulância, que levou a agressões a Gaspar Ramos, e que, antes, tanta era a vergonha, apenas se encontrava com o Presidente na garagem e que hoje se passeia no Seixal como mais um “dono daquilo tudo” . (Rui Gomes da Silva, excerto do NGB)

OS COELHOS, NÃO OS DA PÁSCOA, SAÍRAM DAS TOCAS!

Perante o desafio/provocação usado de forma inteligente e interrogada por Rui Gomes da Silva no seu último texto “E AGORA, LUÍS?”, parece ter surtido algum efeito prático, pois os coelhos, que acusaram o toque, logo saíram das tocas, não propriamente impelidos pela época pascal ou com as devidas máscaras cirúrgicas colocadas em consequência do estado de emergência que se vive, mas munidos dos gorros de assaltantes com que andam disfarçadamente a surripiar o Benfica, pois tanto LFV como DSO, sentindo-se atingidos e ofendidos, vieram a terreiro dizer nada que não se soubesse, usando os habituais jornais avençados do costume, para que não fossem acusados de estarem em silêncio. Já deu para perceber, nas entrelinhas do fora de jogo onde ambos se gostam de movimentar, que as megalómanas obras tão prometidas e anunciadas num passado recente, não passavam afinal de artimanhas e truques de campanhas eleitorais de caça aos votos, porque já não vão avançar e serão entaipadas pelas calendas gre

OS COBARDES NUNCA SE CHEGAM À FRENTE!

Se alguma coisa aprendemos com as crises é que elas só acontecem porque na verdade nunca aprendemos nada com elas. E dizer-se agora, à posteriori, que é preciso reformularmos as nossas mentalidades e as nossas formas de estar na vida, soa, como sempre, a um insípido “slogan” de retórica, para não ser levado muito a sério, porque logo à primeira oportunidade, voltaremos a cometer os mesmos erros e a infringir os mesmos abusos de conduta. São os nossos comportamentos que nos valorizam ou desvalorizam e por eles temos de responder, quando por laxismo, deixámos o ocidente à mercê da China que já produz tudo, sempre à cata da mão-de-obra barata como a solução milagrosa, e levados por esta obsessão doentia e mais uma crise, os tempos vão ser de contenção, porque o dinheiro dos impostos pagos pelos portugueses não pode ser esbanjado em subsídios para companhias de teatro da treta, que à mama de uma snobe cultura como pano de fundo, chegam a ter mais actores em palco do que espectadores na