Avançar para o conteúdo principal

VOOS DE JACTO, TARJAS E FIGURANTES, EM CAMPANHAS DELIRANTES!

 Se é certo que a necessidade aguça o engenho, então o desespero é uma comporta aberta aos disparates.

Quando LFV andou distraído e se deitou à sombra dos louros da obra feita, pensando com isso obter a carta de foral para um estado de graça que o iria manter imperturbável no poder, estava redondamente enganado, pois não cuidou de saber que só boa vontade e algum jeito apenas remedeia o que está feito, e é sempre escasso para o que ainda falta fazer, sobretudo quando se ignora, de forma lisonjeira, a verdadeira dimensão referencial do Benfica, enquanto clube de futebol com responsabilidades acrescidas no plano desportivo e eclético com que fez e faz jus ao seu nome.

Com LFV na presidência, o futebol passou a ser o parente pobre do clube e uma espécie de regozijo abotoado com que à conta dele se vão buscar uns bons milhões de euros, mas que no fundo não são aproveitados para investimentos e reforços dos plantéis, deixados sempre muito aquém das necessidades da história do clube e das expectativas naturais dos adeptos, que por força deste abandono desleixado, vêem um Benfica cada vez mais transformado numa agremiação snobe de negócios e transacções, de clientes e parcerias, de eventos e startups, de cimentos e tijolos, porque essas coisas da bola, para alguns engravatados iluminados, só causam dores de cabeça e trazem chatices, sobretudo, quando sai fora dos âmbitos e dos propósitos de uma acomodada e aburguesada estrutura, cada vez mais elitista e impopular.

LFV não percebe nada de futebol, isso já todos nós sabemos, e não morre de amores por ele, é uma conclusão mais que óbvia, mas se o amor é como a lua, como diz o povo, quando não cresce é natural que diminua, é isso que se tem verificado, pois a diminuição do prestígio do Benfica além-fronteiras é mais que evidente, em resultado de sucessivas políticas desportivas erradas e inconsequentes, que têm fragilizado a olhos vistos a pujança do Benfica a ponto de, a nível do ranking de clubes da UEFA, ocupar hoje uma modesta posição.

Talvez agora LFV se tenha apercebido, definitivamente e sem modéstias à parte, que as estruturas não ganham campeonatos e, muito possivelmente, já nem sequer cheguem para vencer eleições.

E esse é, sem dúvida, o maior drama existencial com que até hoje o presidente do Benfica se vê confrontado nestas eleições, porque LFV só gosta de desafios e de os disputar, quando, por antecipação, sabe que os pode controlar e ganhar, e não é este o caso.

Esta irritação e nervosismo têm-lhe tirado o sono, e o tempo de que isto eram favas contadas e que em qualquer circunstância seria sempre eleito com uma perna às costas, sem grande esforço e ralação, já não é bem assim, ainda que ele, prepotentemente, achasse que podia comprar tudo, inclusivamente, até o rumo da própria história.

Não se lastima o mal que termina, e ao contrário do que diz o refrão dos bajuladores de serviço, LFV já não faz parte da solução, presente e futura, que se quer implementar no clube, e sendo ele um problema, altamente lesivo e nefasto para a reconfiguração do bom nome e reputação do Benfica, postos muitas vezes em causa, não só pelas encrencas que constantemente apronta, mas também pelas suspeitas que invariavelmente lhe apontam, vai arrastando para a lama da chafurdice um centenário sentimento de paixão e mística e que, muito apropriadamente, o sábio provérbio popular cataloga quando diz, “ó mar, ó mar, ó mar profundo, antes andar nas ondas do mar que nas bocas do mundo”.

Em campanha eleitoral, não pode valer tudo, mas todo este folclore montado à volta do regresso de Jorge Jesus, é uma prova de que vai mesmo valer tudo menos tirar olhos, como o provam esta overdose de gastos em voos de jacto, tarjas e figurantes, tudo escandalosamente a expensas do Benfica, só se esperando que neste tudo ou nada em excesso, não se corra o risco de um clube financeiramente desafogado, como eles dizem, se tornar a breve trecho em mais um clube intervencionado.

Seria pior a emenda que o soneto.

Amo-te, Benfica!
 José Reis
Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

0 comentários

Apoio de:


Aleatórios

Mensagens populares

As escutas do Apito Dourado foram totalmente legais

    Apito Dourado, a grande mentira das escutas   "Passaram esta quinta-feira 18 anos de um dos maiores escândalos da justiça e mais uns quantos da perpetuação de uma das maiores mentiras que alimenta o mundo do futebol."

A Máfia, a Maçonaria e o Apito Dourado

Costuma dizer-se que "a verdade é como o azeite, mais tarde ou mais cedo vem à superfície". Apareceu agora o testemunho do ex-juiz José Costa Pimenta, um antigo juiz reformado compulsivamente. A Maçonaria manda na justiça em Portugal. pulpuscorruptus.blogspot.com Mas a lei das escutas foi alterada, posteriormente em 2007 (governo Sócrates).

Carta à Cofina

Exmos. Senhores. Começo por vos dizer que sou um Benfiquista e sócio de 4 dígitos. A minha simpatia por tudo quanto é Cofina é nula...como nula é a vossa simpatia pelo meu Glorioso. Neste interim, estamos empatados. Quando estão disponíveis nos cafés, leio por alto as capas do CM, e no Record apenas aquelas duas páginas que dedicam ao Benfica. (normalmente são já notícias requentadas). O Record é mais pró-Sporting. Todos nós sabemos e isso até é o que menos me importa. Cada Jornal segue a linha que quiser. Só compra quem quer! Em casa, passo algumas vezes pela CMTV, mas como as notícias do "assassino" do "pedófilo" da "greve" do "homicida" dos "incêndios" etc etc.. se repetem, repetem, repetem até à exaustão, perco-lhes o interesse e mudo de canal. Mas é outro o assunto que me levou a escrever-vos. Os programas de desporto que vocês exibem todas as noites, onde a barulheira é tal que não se percebe nada do que dizem, a CMTV não