Avançar para o conteúdo principal

“Entregar o ouro ao bandido”

"E quando os outros ganharem teremos que os aplaudir, para que também nos deem valor quando ganharmos”.

Mais coisa menos coisa foi o que Bruno Lage, qual Bandarra, disse aos adeptos, em pleno Marquês, quando comemoravam uma histórica vitória no campeonato!

Estas declarações tiveram o efeito dum balde de água, bem gelada, entre aqueles.
Que efeito terão tido estas desastrosas declarações nos adeptos e jogadores? Em que medida influenciaram a reviravolta no campeonato? Não sei.

Tendo-se desenrolado o campeonato sob tremenda hostilidade institucional contra o clube, com sucessivas e avultadas multas, com sucessivas penas de interdição do estádio, com permanentes enxovalhos na praça pública e ameaças via Ministério Público, com a guerra suja permanente dos principais rivais, a palavra de ordem das comemorações deveria ser a de afirmar a justiça da vitória e reivindicar o reconhecimento do mérito da mesma!

E cá estamos nós, adeptos, a aplaudir a vitória dum adversário que despreza, desvaloriza e desconsidera, reiteradamente as do nosso clube!

Na conferência de imprensa da véspera do Benfica-Porto pergunta o jornalista a Bruno Lage, então o nosso herói -algo do tipo: “-Se o Benfica ganhar ficará a dez pontos. Acha que, a verificar-se, o campeonato ficará decidido?

-Nada disso, lembrem-se de que, no ano passado, também íamos a sete pontos e ainda fomos ganhar!
Pode voltar a acontecer!”

E aconteceu!

Que efeito terão estas desastradas declarações nos adeptos e jogadores? Em que medida é que influenciaram a reviravolta no campeonato? Não sei.

No entanto estou convicto de que, num e noutro caso desfez-se o mito do líder. Bruno Laje perdeu a equipa nesse momento. O fator motivacional degradou-se a partir daí. Via-se no terreno de jogo; indisciplina no posicionamento coletivo, baixa intensidade, dinâmica residual, afunilamento ofensivo, determinação insuficiente…percebia-se que o Treinador não sabia que fazer.

Numa equipa com vários desequilíbrios, percebeu-se que perdera a confiança dos jogadores. Porém, terá sido essa a única causa?

É inegável, para mim, que a ausência de público dos estádios agravou a crise desportiva da equipa do Benfica, mais que a qualquer outra. Pela simples razão de que, à excepção de Alvalade e do Dragão, o Benfica joga quase sempre “em casa”.

Uma realidade contra a qual o principal rival vinha a reclamar desde há uns anos, através dos seus barões da comunicação social. Ele há coincidências do “arco da velha”.

 Mas, não terão havido outras razões? Sim.

Quanto a mim houve outras razões de peso.

A equipa iniciou o campeonato com algumas posições fragilizadas; na baliza faltou um segundo guarda-redes à altura de Odisseias, na defesa faltaram opções válidas em todas as posições, em especial no eixo e no lado direito -Jardel passara quase toda a época anterior lesionado, Ferro, desde a mesma época que revelara quebra persistente de forma e André Almeida, depois de ter jogado lesionado a ponta final do campeonato anterior, continuou de fora da equipa durante quase meio campeonato, no meio-campo faltava criatividade, com Gabriel ausente por lesão quase toda a época, Pizzi e Tharabt faziam as despesas do setor-

Na frente faltaram extremos clássicos conduzindo ao afunilamento do jogo e ao sub-rendimento dos pontas e lança.

 No final da primeira volta tudo isto estava claro.

O Benfica tinha os cofres bem recheados - quase cem milhões de euros à ordem! Porque se prescindiu de segurar o Sálvio, recuperado de lesão, e não se fez um esforço para assegurar o regresso de Gaitan, disponível e cheio de vontade de voltar ao clube? Ambos trariam a motivação, a criatividade e qualidade de jogo de que a equipa carecia! O suficiente para ter ganho!

A pergunta maldita que paira na cabeça de muitos bons benfiquistas é esta: será que os dirigentes do Benfica quiseram mesmo ganhar? Não sei. Mas sei que agiram como se não estivessem interessados na vitória.

Mesmo a substituição de Lage, um gesto sempre penoso, foi efectuada com a equipa irremediavelmente afastada do título.

O choque motivacional nos jogadores veio demasiado tarde! O principal rival, falido, falhara a liquidação, na maturidade, do empréstimo obrigacionista, e consta que recorreu a empréstimo bancário para pagar salários.

 A segunda pergunta maldita que paira na cabeça de muitos bons benfiquistas é esta: será que os dirigentes do Benfica decidiram “dar a mão” ao rival, sob intervenção da UEFA, para o ajudar a sair do fosso económico, financeiro e institucional em que se encontra? Um rival que, desde há décadas, tudo tem feito para enxovalhar, desacreditar e aniquilar o Benfica?

Inevitavelmente, surge a terceira pergunta maldita; afinal, os atuais dirigentes do Benfica defendem os interesses do clube que dirigem ou são “cavalos de troia” dos rivais? As cumplicidades do passado, os insucessos do penta e do campeonato que hoje termina sustentam a dúvida.

Dúvida que tem de ser firmemente erradicada, com recurso a novos protagonistas, reconstruindo-se a identidade secular do Benfica que se resume a uma só palavra: GANHAR!

Tudo o mais, é de menos.

Peniche, 25 de Julho de 2020
António Barreto
Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

2 comentários

Enviar um comentário

Apoio de:


Aleatórios

Mensagens populares

As escutas do Apito Dourado foram totalmente legais

    Apito Dourado, a grande mentira das escutas   "Passaram esta quinta-feira 18 anos de um dos maiores escândalos da justiça e mais uns quantos da perpetuação de uma das maiores mentiras que alimenta o mundo do futebol."

A Máfia, a Maçonaria e o Apito Dourado

Costuma dizer-se que "a verdade é como o azeite, mais tarde ou mais cedo vem à superfície". Apareceu agora o testemunho do ex-juiz José Costa Pimenta, um antigo juiz reformado compulsivamente. A Maçonaria manda na justiça em Portugal. pulpuscorruptus.blogspot.com Mas a lei das escutas foi alterada, posteriormente em 2007 (governo Sócrates).

Carta à Cofina

Exmos. Senhores. Começo por vos dizer que sou um Benfiquista e sócio de 4 dígitos. A minha simpatia por tudo quanto é Cofina é nula...como nula é a vossa simpatia pelo meu Glorioso. Neste interim, estamos empatados. Quando estão disponíveis nos cafés, leio por alto as capas do CM, e no Record apenas aquelas duas páginas que dedicam ao Benfica. (normalmente são já notícias requentadas). O Record é mais pró-Sporting. Todos nós sabemos e isso até é o que menos me importa. Cada Jornal segue a linha que quiser. Só compra quem quer! Em casa, passo algumas vezes pela CMTV, mas como as notícias do "assassino" do "pedófilo" da "greve" do "homicida" dos "incêndios" etc etc.. se repetem, repetem, repetem até à exaustão, perco-lhes o interesse e mudo de canal. Mas é outro o assunto que me levou a escrever-vos. Os programas de desporto que vocês exibem todas as noites, onde a barulheira é tal que não se percebe nada do que dizem, a CMTV não