Avançar para o conteúdo principal

Boa sorte MATAMOUROS !!!


Entreguei esta semana, no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, a acção que visa o afastamento de Luís Filipe Vieira da presidência do Benfica. Ponderei longamente esta medida, pois não ignoro a gravidade do gesto. Advogado de profissão e sócio há 27 anos, sei bem que os mecanismos desejáveis para a resolução das divergências no seio do clube são os que passam pelos seus órgãos estatutários. 

Comecei a frequentar as assembleias gerais no Pavilhão da Luz corria o tempo de Manuel Damásio; com 16 anos, não tinha ainda direito a votar. Nessa época, foi pela via associativa que conseguimos impedir mudanças estatutárias abusivas e projectos de SAD nocivos. Lembro também as várias eleições, e sobretudo a mais viva de todas as campanhas, quando nós, os sócios, afastámos Vale e Azevedo, um presidente que ameaçava destruir o clube. 

Alguns anos depois, fui viver para os EUA, onde continuei os meus estudos e onde hoje trabalho. Passei a viver o Benfica à distância, com a especial intensidade do emigrante. Lá fora, o Benfica é uma forma de estarmos mais perto de casa. Talvez também por isso, nestes últimos anos, tenha aumentado a minha preocupação ao ver a falência moral e institucional que se abateu sobre a presidência do Benfica. A experiência como advogado em algumas das maiores causas à escala internacional, vezes demais incluindo situações de fraude ou lavagem de dinheiro, reforçou a minha atenção para os problemas actuais do clube. 

A rede de interesses, truques e desmandos que se formou no Benfica exibe todos os traços que caracterizam a captura de organizações para benefício pessoal. A confusão de esferas entre Vieira Grande Devedor e Vieira Presidente do Benfica ficou ainda mais patente após a audição de Luís Filipe Vieira pela Comissão Parlamentar de Inquérito. Escutámos do principal protagonista, em discurso directo, como tanto os contribuintes portugueses quanto os benfiquistas são forçados a suportar o seu colapso empresarial. 

Entendo, por isso, que o Benfica corre hoje um risco sem precedentes na história do clube. Sinto que estou acompanhado por muitos benfiquistas na conclusão a que nos leva o presente estado de coisas: o Benfica é o grande lesado de Luís Filipe Vieira e precisa de libertar-se dele com urgência. Não sou eu que o digo, são os Estatutos do Benfica: o Presidente do clube “não pode, directa ou indirectamente, estabelecer com o Clube e sociedades em que este tenha participação relevante, relações comerciais ou de prestação de serviços, ainda que por interposta pessoa.” Violada esta proibição absoluta, a consequência é “a perda automática de mandato e a impossibilidade de candidatura no mandato seguinte.” 

A urgência de resgatar o Benfica é sentida por todos nós; nenhuma divergência há quanto a isso. Surgem nesta altura várias iniciativas que pretendem enfrentar o impasse democrático em que nos encontramos por via dos mecanismos de auto-governo associativo, como um pedido de assembleia geral extraordinária para auditoria do último acto eleitoral ou a preparação de uma alteração dos Estatutos do clube. 

Entendo que estas contribuições de grandes benfiquistas, e outras que possam surgir, são de enorme importância e apoio-as sem reservas. Temo, contudo, que os mecanismos internos não possam já assegurar o respeito pela vontade dos sócios, como comprovaram as eleições de Outubro de 2020 e as suas inúmeras irregularidades, como a ausência de cadernos eleitorais, a recusa de contagem dos votos em urna e a impossibilidade de escrutínio independente do sistema de voto electrónico. 

Se eu estiver errado, e os mecanismos internos de governo do clube funcionarem, comprometo-me a retirar a acção que propus no dia seguinte à saída de Luís Filipe Vieira do Benfica. Seria um dia feliz. Mas se eu estiver certo, e a degradação do clube em nome de interesses pessoais perseverar, entendo que a acção que propus é um imperativo de consciência. A acção é contra Luís Filipe Vieira e mais ninguém; a acção é para proteger o Benfica e mais ninguém. 

Recuso a ideia de toda esta decadência ser intrínseca ao futebol, ao desporto e ao Benfica. Toda a nossa história o desmente. Só fomos verdadeiramente grandes e ganhadores quando governados por gente que soube viver a elevação de princípios simbolizada pela águia do nosso emblema. Joaquim Ferreira Bogalho, nosso saudoso Presidente, deixou aos que lhe sucederam um sério aviso: “Respeitem sempre o dinheiro do clube. É dinheiro de gente simples e humilde. É esforço de gente pobre que dá porque gosta muito do Benfica. Sirvam-no. Não se sirvam dele!”. Esta petição é a minha forma de honrar esse esforço.

Jorge Mattamouros 12 de Junho de 2021, 8:00 
Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

0 comentários

Apoio de:


Mensagens populares

Benfica, um novo rumo

O regresso de Jorge Jesus ao Benfica deveu-se a critérios não desportivos. A forte oposição que se perfilava para as eleições de 2020 a Filipe Vieira impunha uma aposta mobilizadora dos sócios.

Vieira pôs o Benfica na sargeta!

Desde há um ano que me afastei das "coisas do Benfica".  Até  devolvi o meu cartão de sócio por não me rever no que era o Benfica do vigarista Vieira;  logo eu, que era (e sou, basta ir lá levanta-lo...) sócio de 4 dígitos, qualquer coisa como 6 mil e picos.

FC Porto: Suspeitos de manipulação de resultados

Dirigentes do FC Porto são também suspeitos de manipulação de resultados. 15 jogadores envolvidos no esquema que envolverá Pinto da Costa. Fundos desviados da SAD do FC Porto terão também servido para financiar a alegada manipulação de resultados desportivos e actividades de dirigentes dos Super Dragões.

AS eleições no BENFICA foram uma fraude!

HOJE não existe BENFIQUISMO, existem interesses instalados, cujo cancro é LFV, agrilhoado ao poder por forças ocultas e de interesses materialistas, que pouco tem a ver com o BENFICA, o futebol conta pouco, aliás LFV nem gosta muito de bola, tal como os americanos do Manchester United, vai chegar o dia da revolta, pois tudo tem o seu tempo, nas última ELEIÇÕES os sócios tiveram essa oportunidade,