Avançar para o conteúdo principal

ERA UMA VEZ UM GRANDE CLUBE EUROPEU!

Os planos para a criação de uma superliga europeia irão inevitavelmente acelerar, como única resposta para a viabilização de novas formas de financiamento para os clubes de futebol, hoje por hoje, a braços com uma profunda depauperação das suas receitas, em consequência directa pela falta de adeptos nas bancadas, que obviamente lhes retira toda a carga vibrante e emotiva e o fulgor competitivo, desconhecendo-se até quando vão elas permanecer vazias e em completo silêncio. 

Esta espiral de muitas dúvidas e demasiadas incertezas, farão apertar ainda mais o colete de forças dos condicionalismos dos novos tempos que se avizinham, que por certo irão influir, e de que maneira, na capacidade de regeneração de alguns clubes, que sem o sustento cómodo dos direitos televisivos e das vendas de jogadores, nem o amparo das receitas de merchandising e de bilheteira, ficarão à mercê da quase extinção. 

Os maiores clubes europeus e também os mais ricos e poderosos, poderão, em última análise, ainda vir a beneficiar, por mais algum tempo, do seu estatuto e importância, em função e valor do ranking amealhado que ocupam na tabela. 

E se os mercados americanos, asiáticos e árabes, continuam a ser de escoamento para jogadores e treinadores que queiram melhorar as suas condições contratuais e de reforma, nunca o serão, a nível competitivo e desportivo, uma concorrência ao que o velho continente europeu tem para dar e oferecer. 

Completamente alheado destas novas realidades que já estão na forja para acontecerem e avançarem, o Benfica continua a dormir na parada, por falta inequívoca de uma voz de comando de uma direcção autista e desleixada, sem qualquer visão de futuro, que apostando na construção de plantéis fracos, conduziram ao acumular de más prestações feitas na Europa, pagando hoje a factura de um claro abaixamento de prestígio, que nos empurrou para um segundo nível competitivo, e perante uma crise tão grave e gravosa como a que estamos a atravessar, o Benfica corre um sério risco, assim como outros emblemas nas mesmas condições, de perder o comboio e ficar de fora desta futura superliga, levado na enxurrada como os demais distraídos, para patamares de pura insignificância. 

A criação de um novo modelo fechado por convite, que estará na génese desta superliga, poderá significar a morte lenta de clubes como o Benfica, se na prática, isto é, dentro das quatro linhas, nada se fizer, porque não basta dizer-se pomposamente que estamos 10 anos à frente, quando, na verdade, nas últimas duas décadas se andou vertiginosamente para trás, por culpa e responsabilidade de um presidente, que dispôs de todas as condições, de poder, com sucessivos mandatos que lhe conferiram os sócios, e financeiras, com vendas desenfreadas dos melhores jogadores sem serem compensadas por igual critério de qualidade nas compras, e o resultado está à vista: transformou um clube de futebol num mero entreposto negocial de uma rede de interesses e de influências que gravitam em torno do Benfica e que estrangulam a sua emancipação e desenvolvimento, que mais não têm feito e contribuído do que assinar a certidão de óbito de um grande clube europeu, que hoje já não se parece com nada, na descaracterização do símbolo e do encarnado das suas camisolas, à imagem de um presidente, absolutamente desprovido de moral e ética benfiquista e de competência para continuar a gerir os destinos do glorioso Benfica de Cosme Damião. 

Amo-te, Benfica! 
 José Reis
Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

0 comentários

Apoio de:


Aleatórios

Mensagens populares

As escutas do Apito Dourado foram totalmente legais

    Apito Dourado, a grande mentira das escutas   "Passaram esta quinta-feira 18 anos de um dos maiores escândalos da justiça e mais uns quantos da perpetuação de uma das maiores mentiras que alimenta o mundo do futebol."

A Máfia, a Maçonaria e o Apito Dourado

Costuma dizer-se que "a verdade é como o azeite, mais tarde ou mais cedo vem à superfície". Apareceu agora o testemunho do ex-juiz José Costa Pimenta, um antigo juiz reformado compulsivamente. A Maçonaria manda na justiça em Portugal. pulpuscorruptus.blogspot.com Mas a lei das escutas foi alterada, posteriormente em 2007 (governo Sócrates).

Carta à Cofina

Exmos. Senhores. Começo por vos dizer que sou um Benfiquista e sócio de 4 dígitos. A minha simpatia por tudo quanto é Cofina é nula...como nula é a vossa simpatia pelo meu Glorioso. Neste interim, estamos empatados. Quando estão disponíveis nos cafés, leio por alto as capas do CM, e no Record apenas aquelas duas páginas que dedicam ao Benfica. (normalmente são já notícias requentadas). O Record é mais pró-Sporting. Todos nós sabemos e isso até é o que menos me importa. Cada Jornal segue a linha que quiser. Só compra quem quer! Em casa, passo algumas vezes pela CMTV, mas como as notícias do "assassino" do "pedófilo" da "greve" do "homicida" dos "incêndios" etc etc.. se repetem, repetem, repetem até à exaustão, perco-lhes o interesse e mudo de canal. Mas é outro o assunto que me levou a escrever-vos. Os programas de desporto que vocês exibem todas as noites, onde a barulheira é tal que não se percebe nada do que dizem, a CMTV não