Avançar para o conteúdo principal

HÁ-DE SER OUTRA VEZ PORTUGAL E OUTRA VEZ BENFICA!

O mundo mudou. As nossas vidas vão mudar. O antes e o depois de Cristo é agora o antes e o depois do vírus.

Não me contes como foi, conta-me antes como vai ser.

Estamos em isolamento profiláctico, cada qual entregue à sua sorte de resistência e resiliência.

Não deixa de ser irónico, que depois das fronteiras escancaradas, a tudo o que entrava e saía, estejamos agora a pagar por isso confinados às nossas próprias casas.

Já não apanhamos o metro ou o autocarro para irmos para o trabalho. Apanhamos os chinelos para irmos até à varanda respirar um pouco de ar. Depois fazemos um pequeno passeio até à cozinha, e lá contabilizamos as reservas que ainda há na despensa e no frigorífico.

Vamos até à sala, onde se reúne por norma o comando geral da família, e pela televisão acompanhamos as notícias e os números alarmantes das últimas vítimas, e nas ruas desertas imaginamos os vírus como uns snipers que apontam as miras para qualquer cidadão que se descuide.

Fiquem em casa! É a palavra de ordem e a senha que valem a nossa sobrevivência. Sabemos e conhecemos a nossa condição precária.

Não adianta idealizarmos uma sociedade utópica quando na verdade lhe estamos a deixar como herança um mundo distópico.

O éramos tão felizes, é apenas a constatação de um lamento e reconhecimento das nossas fraquezas e fragilidades.

Quem tem saúde e liberdade é rico e não o sabe, e hoje, devido a circunstâncias e vicissitudes de vária ordem e das voltas que a vida dá, talvez o entendamos melhor em saber, sob pena de não nos restar mais oportunidades para reparar e ultrapassar a nossa estupidez humana.

Estamos adiados, porque fingimos.
Confinados, porque transgredimos.
Sitiados, porque nos excedemos.
Quarentenados, porque nos expusemos.
Isolados, porque nos globalizámos.
Contaminados, porque arriscámos.
Angustiados, porque nos indisciplinámos.
Amedrontados, porque fomos egoístas.
Assoberbados, porque nos desafiámos.
Resignados, porque desconfiamos já de nós próprios.
Agora sabemos que aos domingos já não há missa nem futebol.

E o pior, é que também não joga o Benfica.

Para ao menos podermos exercitar as nossas paixões de bancada. Que não voltaremos a ter tão cedo, apenas nas reminiscências de memórias e vivências interrompidas de chofre, abruptamente.

Lá fora já irrompe a Primavera, viçosa e colorida como sempre. E há-de ser Páscoa, mesmo com amêndoas amargas. E depois há-de ser Verão, mesmo que já não haja as conversas de cavaqueira à sombra da tilieira frondosa.

E com ou sem o rebuliço do regresso às aulas, há-de ser Outono. E como ou sem Natal em família reunida, há-de ser Inverno. E há-de mudar o ano, se entretanto não for adiado para o ano seguinte, enquanto o champanhe, sem motivos para se erguer em brinde, esmoreça na garrafa aberta até perder a força, ao lado das passas do Algarve que todos iremos passar.

E entretanto, nesta quarentena forçada para todos, esperemos que o Pizzi tivesse aproveitado o tempo para treinar melhor os penáltis contra o muro lá de casa.

Que o Ferro, o Grimaldo e o Tomás Tavares, tivessem visto os vídeos suficientes para corrigirem as falhas constantes que têm tido na defesa.
Que o Taarabt não tivesse quebrado o jejum do ramadão e agora se apresente com excesso de peso.

Que o Rafa aperfeiçoasse e afinasse a rapidez de corrida e drible em sucessivas voltas à piscina.
Que o Seferovic recompusesse a sua falta de humor e de pontaria a bem do povo Benfiquista e do povo helvético.

Que o Bruno Lage, mais especialista em pandas e folhas de bambu, se convencesse que o seu estado de graça já não está a ter graça nenhuma e que se esperam melhorias tácticas e exibicionais.

E há-de ser outra vez Portugal e outra vez Benfica, esperando que, tanto um como outro, devidamente desinfectados e expurgados dos imbecis que andam por aí e só estorvam.

Amo-te, Benfica!
 José Reis
Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

0 comentários

Apoio de:


Aleatórios

Mensagens populares

As escutas do Apito Dourado foram totalmente legais

    Apito Dourado, a grande mentira das escutas   "Passaram esta quinta-feira 18 anos de um dos maiores escândalos da justiça e mais uns quantos da perpetuação de uma das maiores mentiras que alimenta o mundo do futebol."

A Máfia, a Maçonaria e o Apito Dourado

Costuma dizer-se que "a verdade é como o azeite, mais tarde ou mais cedo vem à superfície". Apareceu agora o testemunho do ex-juiz José Costa Pimenta, um antigo juiz reformado compulsivamente. A Maçonaria manda na justiça em Portugal. pulpuscorruptus.blogspot.com Mas a lei das escutas foi alterada, posteriormente em 2007 (governo Sócrates).

Carta à Cofina

Exmos. Senhores. Começo por vos dizer que sou um Benfiquista e sócio de 4 dígitos. A minha simpatia por tudo quanto é Cofina é nula...como nula é a vossa simpatia pelo meu Glorioso. Neste interim, estamos empatados. Quando estão disponíveis nos cafés, leio por alto as capas do CM, e no Record apenas aquelas duas páginas que dedicam ao Benfica. (normalmente são já notícias requentadas). O Record é mais pró-Sporting. Todos nós sabemos e isso até é o que menos me importa. Cada Jornal segue a linha que quiser. Só compra quem quer! Em casa, passo algumas vezes pela CMTV, mas como as notícias do "assassino" do "pedófilo" da "greve" do "homicida" dos "incêndios" etc etc.. se repetem, repetem, repetem até à exaustão, perco-lhes o interesse e mudo de canal. Mas é outro o assunto que me levou a escrever-vos. Os programas de desporto que vocês exibem todas as noites, onde a barulheira é tal que não se percebe nada do que dizem, a CMTV não