Avançar para o conteúdo principal

O CHEIRO DO PETRÓLEO E O BRILHO DOS DIAMANTES!

Um dia, quis o destino, que Isabel dos Santos, filha do ex-presidente de Angola, fosse rica e poderosa, e que os poços de petróleo que descobriu nos jardins das suas mansões, mais as piscinas cheias de diamantes, fossem apenas uma consequência lógica e hereditária de uma herança divina, caída dos céus, sabe-se lá como, sem o anátema e a influência de um poder corruptivo, que galgou há muito as margens da razoabilidade e da decência, e o que era ainda ontem uma empresária de sucesso aos olhos de alguns governos e políticos proeminentes, hoje é vista, talvez por arremedos de más consciências e calculismos de momento, como uma mulher perigosa e enigmática, onde até já se repensam e se questionam avaliações de idoneidade e reputação.

A África que oscila entre a pobreza ínfima e degradante da maioria do povo e a sumptuosidade absoluta de meia dúzia de privilegiados, é a mesma que ao longo da sua história aceitou e fechou os olhos à conivente fatalidade destas assimetrias marcantes, não já por culpa e responsabilidade da presença de um poder colonial branco, entretanto já desmantelado e desaparecido, mas por imposição de etnias e castas angolanas ou de militares poderosos, ressurgidos sempre que há conflitos nas tomadas de assalto ao poder.

A rainha das fortunas inexplicáveis e dos avultados investimentos feitos um pouco por todo o mundo, sem que fossem devidamente referenciados e escrutinados até ao limite do escândalo, quanto às suas origens e intenções, revela bem o estado pantanoso em que caíram os capitais dos ratings e das bolsas de mercados, pré-anunciando formas de estar viciadas e coagidas perante a força do dinheiro, levadas a cabo por agiotas encartados e experimentados, que tanto se lhes dá saber como não, que ele seja limpo ou espúrio, desde que seja dinheiro é o que conta.

Coincidência ou talvez não, a maior parte das participações de investimentos feitos em Portugal por Isabel dos Santos, recaíram em empresas localizadas no norte do país, onde a EFACEC, o Grupo Amorim, o Grupo Sonae e a NOS, cheiram e tresandam a petróleo, mas como por ali também abunda o bafio das máfias e das camorras, os olfactos fétidos até se misturam e confundem-se no ar, passando assim quase despercebidos sem se notarem.

E se até hoje, para os mais incautos e distraídos, que ainda não tinham percebido os motivos e as razões pelas quais Rui Moreira decidiu um dia condecorar o marido de Isabel dos Santos com a medalha de ouro da cidade do Porto, talvez agora se perceba melhor a lógica e o sentido disto tudo, e os fios acabem por encontrar as meadas e as pontas soltas se comecem a unir finalmente, para nos ajudar a desmontar e a decifrar este enorme enigma, sabe-se lá por amor e alma de quem.

E o que dirá o comum cidadão do acordo de patrocínio estabelecido entre a Liga Portuguesa de Futebol e a NOS, que tem a maioria dos clubes profissionais da primeira e segunda ligas, presos e capturados a contratos televisivos de longa duração, através do monopólio da Sport TV, onde infelizmente o Benfica também se deixou enredar, pelo inebriamento do cheiro do dinheiro dos petróleos e do brilho ofuscante dos diamantes?

Com Isabel dos Santos sob investigações apertadas e em curso, e o mais que inevitável arresto das suas contas e bens, há já muitas empresas em Portugal a tilintar, não de frio mas de medo e muito nervosas ao que lhes possa vir a suceder.

Quando aqui alertámos, em tempo útil, para o erro crasso que o Benfica estava a cometer, quando inopinadamente LFV e DSO, encadeados pela ganância do dinheiro, celebraram um contrato de longa duração com a NOS, num negócio altamente lesivo dos interesses do Benfica, fizeram ouvidos de mercadores e levaram por diante as suas intenções.

Mas às vezes há males que vêm por bem, e esta talvez seja uma oportunidade única para devolver à BTV a autonomia e a capacidade, que já demonstrou ter, de sozinha e sem malignas companhias, gerar receitas próprias.

Amo-te, Benfica! José Reis
Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

0 comentários

Apoio de:


Aleatórios

Mensagens populares

As escutas do Apito Dourado foram totalmente legais

    Apito Dourado, a grande mentira das escutas   "Passaram esta quinta-feira 18 anos de um dos maiores escândalos da justiça e mais uns quantos da perpetuação de uma das maiores mentiras que alimenta o mundo do futebol."

A Máfia, a Maçonaria e o Apito Dourado

Costuma dizer-se que "a verdade é como o azeite, mais tarde ou mais cedo vem à superfície". Apareceu agora o testemunho do ex-juiz José Costa Pimenta, um antigo juiz reformado compulsivamente. A Maçonaria manda na justiça em Portugal. pulpuscorruptus.blogspot.com Mas a lei das escutas foi alterada, posteriormente em 2007 (governo Sócrates).

Carta à Cofina

Exmos. Senhores. Começo por vos dizer que sou um Benfiquista e sócio de 4 dígitos. A minha simpatia por tudo quanto é Cofina é nula...como nula é a vossa simpatia pelo meu Glorioso. Neste interim, estamos empatados. Quando estão disponíveis nos cafés, leio por alto as capas do CM, e no Record apenas aquelas duas páginas que dedicam ao Benfica. (normalmente são já notícias requentadas). O Record é mais pró-Sporting. Todos nós sabemos e isso até é o que menos me importa. Cada Jornal segue a linha que quiser. Só compra quem quer! Em casa, passo algumas vezes pela CMTV, mas como as notícias do "assassino" do "pedófilo" da "greve" do "homicida" dos "incêndios" etc etc.. se repetem, repetem, repetem até à exaustão, perco-lhes o interesse e mudo de canal. Mas é outro o assunto que me levou a escrever-vos. Os programas de desporto que vocês exibem todas as noites, onde a barulheira é tal que não se percebe nada do que dizem, a CMTV não