Avançar para o conteúdo principal

Benfica 2020/2021

  Chegado o mês de Janeiro, a equipa do Benfica está muito aquém da espectativa criada com o regresso de Jorge Jesus. O futebol de ataque, coordenado, versátil, rápido e criativo ainda não chegou. Pelo contrário, não se vislumbra um modelo de jogo. A disciplina posicional, a articulação dinâmica coletiva, a intensidade e a qualidade de passe, são erráticas. Os resultados são escassos; perdida a entrada na Liga dos campeões deixou-se escapar o primeiro troféu da época, a Supertaça. Ainda na disputa da Taça de Portugal e da Taça da Liga, as aspirações à vitória no campeonato permanecem intactas, mas as expetativas baixaram. Sendo inatacável a competência de Jorge Jesus e avultado o investimento em novos jogadores, alguns deles credenciados, como poderá explicar-se a instabilidade competitiva da equipa?

  Antes de mais há que perceber o impacto no treinador resultante da mudança a que se sujeitou. Jorge Jesus atingiu os píncaros da popularidade no Brasil graças à invulgar sucessão de êxitos, entre os quais a desejada Taça Libertadores. Treinador de uma equipa competitiva, o Flamengo, admirado em todo o Brasil, consagrado internacionalmente, Jorge Jesus regressa a um campeonato paroquial, falido, onde abundam e permanecem as velhas e saloias picardias. Com as espectativas de consagração internacional fragilizadas e agravadas pela instabilidade diretiva que se verifica no clube de destino, o Benfica, é natural a emergência dum certo desencantamento e, talvez até, arrependimento. Inevitavelmente, o estado de deslumbramento com que vinha chocou com a mediocridade do estado da arte no velho Portugal e isso refletiu-se no seu ânimo. Talvez Jorge Jesus careça de motivação. Não sei se o atual Benfica e o futebol nacional estará à altura das suas espectativas. 

  Em segundo lugar está a construir-se uma equipa nova; todos os setores estão em reconstrução. Poucos são os jogadores titulares que transitaram: Odisseyas, Grimaldo, André Almeida, Pizzi, Gabriel, Taarabt e Rafa, sendo que Grimaldo acaba de regressar de lesão, André Almeida continua lesionado, e Gabriel, após recuperar de lesão, contraiu o vírus, tal como sucedeu a Pizzi e Darwin em plenitude de forma. A agravar tudo isso, um calendário desportivo exigente, no clube e nas seleções, retira, ao grupo, disponibilidade para o treino.

  Em terceiro lugar os efeitos da pandemia estão a revelar-se particularmente nefastos para o Benfica, diretamente, afetando jogadores nucleares em momentos chave, como foi o caso de Pizzi e Gabriel, em vésperas de jogo com o Porto, e indiretamente, retirando ao coletivo o fator motivacional resultante da ausência de público.

  Em quarto lugar neste momento o Benfica carece de liderança eficaz. Com uma situação económico-financeira equilibrada a política de comunicação do clube peca por ausente. Graças a esta política, mantida ao longo dos últimos anos, o espaço público foi totalmente dominados pelos rivais e outros detratores. Ora, se é verdade que só equipas competitivas ganham campeonatos, também é verdade que, no atual contexto do futebol português, isso não é suficiente. Há muito jogo fora das quatro linhas e a vários níveis, começando pelas instituições que supervisionam o futebol, onde a transparência é uma ficção e a atitude persecutória ao Benfica é um facto indesmentível.

  Envolto em sucessivos escândalos bancários e judiciais, limitado por múltiplas idiossincrasias, Filipe Vieira é hoje uma pessoa fragilizada perante a opinião pública e grande parte dos benfiquistas, cada vez mais isolado, sem autoridade moral para travar a batalha ética de que o Benfica e o futebol nacional carecem. Tais circunstâncias criaram um ambiente desfavorável, acentuado pela humilhação do fracasso da contratação do Cavani. As más exibições e os insucessos desportivos imediatos poderão criar um ambiente depressivo que, inevitavelmente, afetará o grupo de trabalho, com possibilidade de emergência de um novo ciclo vicioso. Julgo mesmo que estamos nessa fronteira.

  O destino imediato do Benfica reside na capacidade do seu atual treinador reinventar e consolidar o futebol da equipa, e da competência da tão enaltecida estrutura suprimir a contento, no mercado de Janeiro, as posições de que a equipa carece. Desta vez não há margem de erro. 

Peniche, 3 de Janeiro de 2021 
António Barreto
Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

2 comentários

  1. "Sendo inatacável a competência de Jorge Jesus"...(?)
    Como é possível afirmar isto?
    Só as "viúvas" do Bazófias acreditaram que ele era a salvação do Arguido, incompetente e aldrabão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não misture os assuntos. A competência de Jorge Jesus está certificada com títulos, que é o que conta. Goste-se ou não dele. Concorde-se ou não com o seu regresso ao clube. O caso do "basófias" é outro tema, relativamente ao qual já aqui - e noutros locais - publiquei análise extensa e fundamentada.

      Eliminar

Enviar um comentário

Apoio de:


Aleatórios

Mensagens populares

As escutas do Apito Dourado foram totalmente legais

    Apito Dourado, a grande mentira das escutas   "Passaram esta quinta-feira 18 anos de um dos maiores escândalos da justiça e mais uns quantos da perpetuação de uma das maiores mentiras que alimenta o mundo do futebol."

A Máfia, a Maçonaria e o Apito Dourado

Costuma dizer-se que "a verdade é como o azeite, mais tarde ou mais cedo vem à superfície". Apareceu agora o testemunho do ex-juiz José Costa Pimenta, um antigo juiz reformado compulsivamente. A Maçonaria manda na justiça em Portugal. pulpuscorruptus.blogspot.com Mas a lei das escutas foi alterada, posteriormente em 2007 (governo Sócrates).

Carta à Cofina

Exmos. Senhores. Começo por vos dizer que sou um Benfiquista e sócio de 4 dígitos. A minha simpatia por tudo quanto é Cofina é nula...como nula é a vossa simpatia pelo meu Glorioso. Neste interim, estamos empatados. Quando estão disponíveis nos cafés, leio por alto as capas do CM, e no Record apenas aquelas duas páginas que dedicam ao Benfica. (normalmente são já notícias requentadas). O Record é mais pró-Sporting. Todos nós sabemos e isso até é o que menos me importa. Cada Jornal segue a linha que quiser. Só compra quem quer! Em casa, passo algumas vezes pela CMTV, mas como as notícias do "assassino" do "pedófilo" da "greve" do "homicida" dos "incêndios" etc etc.. se repetem, repetem, repetem até à exaustão, perco-lhes o interesse e mudo de canal. Mas é outro o assunto que me levou a escrever-vos. Os programas de desporto que vocês exibem todas as noites, onde a barulheira é tal que não se percebe nada do que dizem, a CMTV não