Avançar para o conteúdo principal

Benfica 2020/2021

  Chegado o mês de Janeiro, a equipa do Benfica está muito aquém da espectativa criada com o regresso de Jorge Jesus. O futebol de ataque, coordenado, versátil, rápido e criativo ainda não chegou. Pelo contrário, não se vislumbra um modelo de jogo. A disciplina posicional, a articulação dinâmica coletiva, a intensidade e a qualidade de passe, são erráticas. Os resultados são escassos; perdida a entrada na Liga dos campeões deixou-se escapar o primeiro troféu da época, a Supertaça. Ainda na disputa da Taça de Portugal e da Taça da Liga, as aspirações à vitória no campeonato permanecem intactas, mas as expetativas baixaram. Sendo inatacável a competência de Jorge Jesus e avultado o investimento em novos jogadores, alguns deles credenciados, como poderá explicar-se a instabilidade competitiva da equipa?

  Antes de mais há que perceber o impacto no treinador resultante da mudança a que se sujeitou. Jorge Jesus atingiu os píncaros da popularidade no Brasil graças à invulgar sucessão de êxitos, entre os quais a desejada Taça Libertadores. Treinador de uma equipa competitiva, o Flamengo, admirado em todo o Brasil, consagrado internacionalmente, Jorge Jesus regressa a um campeonato paroquial, falido, onde abundam e permanecem as velhas e saloias picardias. Com as espectativas de consagração internacional fragilizadas e agravadas pela instabilidade diretiva que se verifica no clube de destino, o Benfica, é natural a emergência dum certo desencantamento e, talvez até, arrependimento. Inevitavelmente, o estado de deslumbramento com que vinha chocou com a mediocridade do estado da arte no velho Portugal e isso refletiu-se no seu ânimo. Talvez Jorge Jesus careça de motivação. Não sei se o atual Benfica e o futebol nacional estará à altura das suas espectativas. 

  Em segundo lugar está a construir-se uma equipa nova; todos os setores estão em reconstrução. Poucos são os jogadores titulares que transitaram: Odisseyas, Grimaldo, André Almeida, Pizzi, Gabriel, Taarabt e Rafa, sendo que Grimaldo acaba de regressar de lesão, André Almeida continua lesionado, e Gabriel, após recuperar de lesão, contraiu o vírus, tal como sucedeu a Pizzi e Darwin em plenitude de forma. A agravar tudo isso, um calendário desportivo exigente, no clube e nas seleções, retira, ao grupo, disponibilidade para o treino.

  Em terceiro lugar os efeitos da pandemia estão a revelar-se particularmente nefastos para o Benfica, diretamente, afetando jogadores nucleares em momentos chave, como foi o caso de Pizzi e Gabriel, em vésperas de jogo com o Porto, e indiretamente, retirando ao coletivo o fator motivacional resultante da ausência de público.

  Em quarto lugar neste momento o Benfica carece de liderança eficaz. Com uma situação económico-financeira equilibrada a política de comunicação do clube peca por ausente. Graças a esta política, mantida ao longo dos últimos anos, o espaço público foi totalmente dominados pelos rivais e outros detratores. Ora, se é verdade que só equipas competitivas ganham campeonatos, também é verdade que, no atual contexto do futebol português, isso não é suficiente. Há muito jogo fora das quatro linhas e a vários níveis, começando pelas instituições que supervisionam o futebol, onde a transparência é uma ficção e a atitude persecutória ao Benfica é um facto indesmentível.

  Envolto em sucessivos escândalos bancários e judiciais, limitado por múltiplas idiossincrasias, Filipe Vieira é hoje uma pessoa fragilizada perante a opinião pública e grande parte dos benfiquistas, cada vez mais isolado, sem autoridade moral para travar a batalha ética de que o Benfica e o futebol nacional carecem. Tais circunstâncias criaram um ambiente desfavorável, acentuado pela humilhação do fracasso da contratação do Cavani. As más exibições e os insucessos desportivos imediatos poderão criar um ambiente depressivo que, inevitavelmente, afetará o grupo de trabalho, com possibilidade de emergência de um novo ciclo vicioso. Julgo mesmo que estamos nessa fronteira.

  O destino imediato do Benfica reside na capacidade do seu atual treinador reinventar e consolidar o futebol da equipa, e da competência da tão enaltecida estrutura suprimir a contento, no mercado de Janeiro, as posições de que a equipa carece. Desta vez não há margem de erro. 

Peniche, 3 de Janeiro de 2021 
António Barreto
Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

2 comentários

  1. "Sendo inatacável a competência de Jorge Jesus"...(?)
    Como é possível afirmar isto?
    Só as "viúvas" do Bazófias acreditaram que ele era a salvação do Arguido, incompetente e aldrabão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não misture os assuntos. A competência de Jorge Jesus está certificada com títulos, que é o que conta. Goste-se ou não dele. Concorde-se ou não com o seu regresso ao clube. O caso do "basófias" é outro tema, relativamente ao qual já aqui - e noutros locais - publiquei análise extensa e fundamentada.

      Eliminar

Enviar um comentário



Mensagens populares

Este é o Benfica atual

O mal do Benfica é geral, é uma doença que atravessa todo o clube.  Reparemos: apesar de um orçamento global muito avultado para o país que somos, temos a seguinte situação:  - futebol masculino: perdemos vergonhosamente o campeonato e a Taça de 2020; estamos em terceiro lugar, a 4 pontos do primeiro, com duas derrotas vergonhosas nos dois últimos jogos; da Europa, nem vale falar; 

Limpinho, limpinho...

Barcelona sem Messi e na falência, foi esta noite uma pera doce para o Benfica que fez tudo para merecer esta gorda vitória e um passo gigante para a passagem na Champions, o que vem a dar mais uns milhares para os depauperados cofres do clube !!!

Exmo. Sr. Luís Filipe Vieira

Seguindo-lhe os passos vou enviar-lhe esta carta, não para me queixar de arbitragens, de falta de penaltis, de escassez de golos, de Covid, de escorregões e de outras desculpas esfarrapadas e escarrapachadas  ao estilo rasca de uma qualquer banda desenhada de vão de escada, num dos valores que em tempos a sua leitura elevava o Benfica e orgulhava os benfiquistas – o jornal “O Benfica”.  

Saia mais uma dose de batatas para o Celestino Mouco...

Esta prosa é apenas para um ex-amigo que tive a desdita de conhecer na minha terra natal, ( há horas do diabo...)  fanático do Vieira e do oxigenado que normalmente anda sempre a cheirar-me o rabo.  A cada traque mal cheiroso que dou, toma-o como se Chanel nr. 5 se tratasse.  Caro Celestino Mouco; há dias entraste no meu quintal e zurravas para que eu falasse das 3 batatas que o clube do jorge jesus deu ao Belenenses mas, esta noite, o teu vieira enfardou mais um saco de batatas  em Alvalixo.  O que te  valeu dares 3 batatas ao Belenenses? Bastava 1 batata e guardava 2 batatas para esta noite!  Estamos agora a 9 sacos de batatas atrás do Sportém.  É muita batata, mas espera que por este andar, o batatal do teu vieira vai bater este ano o record da safra de batatas!!! Também estamos a 5 sacos de batatas de distância do Porto, quer dizer que o batatal do teu ídolo está batatando!!! Para chegar ao TITALO, é necessário recuperar 14 toneladas de batatas!  É muita batata para a pequena camio

Síndrome de Estocolmo

Os sócios do Benfica sofrem do Síndrome de Estocolmo, por isso lfv pode fazer ao Benfica o que fez ao Alverca ( Acabou com o clube) que a maioria Benfiquista continuaria apoiar e a defender vieira com toda a garra.  Brevemente seremos um Salgueiros, um Estrela da Amadora, um Alverca.