Um novo ciclo para o Benfica (2) | Em Defesa do Glorioso
Avançar para o conteúdo principal

Um novo ciclo para o Benfica (2)

(Continuação...)

   A ambição:
Atualmente, com a entrada direta na Liga dos campeões, um grupo acessível, e os cofres, alegadamente, a abarrotar, desinvestiu-se na equipa, condenando-a a mais um desempenho vergonhoso na Europa!

   Em contrapartida, anuncia-se mais um longo ciclo de betão e a promessa vaga, de uma vitória europeia com recurso ao produto da “fábrica” interna. Ou seja, o foco do clube deslocou-se do “querer ganhar”, para o negócio de jogadores e das obras.

   Ainda na véspera do jogo com o Zénit podemos ouvir, na BTV, um comentador residente alegar, com veemência, da falta de condições do Benfica para rivalizar com os “tubarões” europeus; esquecendo-se de que, tais diferenças, já existiam nos anos sessenta, quando o Benfica emergiu entre os maiores.

   No dia seguinte a equipa teve um comportamento desastroso jogando muito abaixo do que sabe e pode! Por mim, tal sujeito seria, imediatamente, convidado a sair, e não voltaria a pisar o chão do estúdio.

   Um Benfica envergonhado é o que se vislumbra bem lá no fundo do projeto em curso. É esta a nova bitola do Benfica; um clube a viver do prestígio passado mas incapaz de construir as memórias do futuro.

   A estratégia:
  Construir um grande Benfica com base na formação interna é um plano que agrada a todos os benfiquistas, porém utópico, seja pela dificuldade em manter os talentos da formação até à maturidade competitiva indispensável às grandes competições, seja optando pela rejeição de contributos externos.

De todo o modo, o horizonte que vai sendo apontado, dez a quinze anos, é incompatível com as aspirações dos adeptos e os pergaminhos do clube. O edifício que urge reconstruir é imaterial, é afetivo, e não de betão!

   O sorvedouro:
   Duzentos e oitenta milhões de euros - salvo o erro - foi o que se faturou em transferências no ano em que o penta se nos escapou por entre os dedos, por uns míseros dois pontos! Pois nem se reforçou a equipa, nem se amortizou o passivo com esses proveitos!

   Recorreu-se à dação de receitas futuras comprometendo a competitividade desportiva imediata! 

   Trezentos milhões de euros foi a receita do exercício transato, tendo-se repetido os erros anteriores; nem se reforçou a equipa adequadamente, ficando vulnerável nalguns setores, arriscando novo fracasso, nem se vislumbra intenção de redução do passivo!

   Num exercício simplista, mas realista do ponto de vista do adepto comum, se, com tal nível de receitas não há excedentes orçamentais, tal significa que os encargos de estrutura são demasiado elevados.

   E mais elevados ficarão com a execução do projeto de expansão do Seixal!

    O estilo:
  Nem o modo messiânico nem o de homem providencial são compatíveis com a tradição e cultura do clube, nem com as práticas da boa gestão. É o que tem prevalecido na retórica e na ação da Direção atual, substituindo-se à colegialidade e democraticidade mobilizadoras e criativas.

   A reputação:
  Os casos que nos últimos dois anos vieram a público envolvendo pessoas ligadas ao Benfica, ainda que não provados em sede própria, ainda que resultando de ações criminosas externas, produziram danos reputacionais no clube-sad, constituindo um retrocesso neutralizador, em grande parte, do magnífico trabalho de credibilização efetuado nos primeiros anos deste ciclo.

   E, ainda que nenhuma responsabilidade direta venha a ser atribuída ao clube-sad e, ou, aos seus dirigentes, eventuais condenações efetivas de figuras próximas, implicarão sempre demissões ao mais alto nível.

  Um líder tem sempre responsabilidade ética relativamente aos atos cometidos pelos colaboradores que escolheu.

   As clivagens:
   A diabolização permanente e persistente da gerência de Vale e Azevedo pela atual Direção dividiu os adeptos, deixando muitos deles de “pé atrás”.
   O efeito pernicioso de tal insistência nunca foi entendido, nem tão-pouco quão importante era para o clube-sad que os “acertos de contas” se tivessem feito intramuros. Ou, percebendo-o, tem sido essa a intenção.
   Além da proteção da figura institucional, sobreleva a questão humana; o ex-Presidente Vale e Azevedo, mesmo após cumprimento integral do cúmulo jurídico - deve ser caso único na justiça penal portuguesa - tem sido perseguido implacavelmente, como se, informalmente, tivesse sido condenado a prisão perpétua! Por mais penas de prisão que cumpra é-lhe sempre negado o direito à reabilitação!

   E esta Direção tem “ajudado à festa”! Deplorável!

Não menos grave, é a atitude, envergonhadamente reverencial, a Joaquim Oliveira e seu universo empresarial. Enquanto se afirma, reiteradamente, o dever de gratidão do clube-sad para com ele os adeptos vêm-no como inimigo; pelo seu vínculo afetivo e institucional ao rival do Porto, pela discriminação com que uma das suas participadas, a Sport-TV, trata o clube da Luz, pelo controle implícito dos clubes pela via do financiamento e por outras afinidades e alianças frequentemente adversas ao Benfica.
   É neste contexto que os adeptos vêm, desde sempre, com grande preocupação, a presença de empresas do grupo Oliveira no clube e a participação do próprio no concelho de administração da Sad.
Insistir no discurso da gratidão é, pois, insistir no divisionismo e no enfraquecimento da massa adepta do clube. Pelo contrário; foi o Benfica que proporcionou a ascensão económica de Oliveira ao conceder-lhe os direitos desportivos por tuta e meia, os quais lhe permitiram faturar abundantemente, concretamente pela expansão da Sport-tv, proporcionando-lhe múltiplos retornos, financeiros e institucionais.
Por coincidência, ou não, o tetra-campeonato sucedeu no período em que o Benfica detinha os seus próprios direitos desportivos, com orgulho de todos os adeptos que viam na BTV a sua guarda-avançada.
Não obstante, resolveu a Direção vender de novo os direitos à mesma entidade, então reformulada, contribuindo para o ressurgimento da velha estrutura de má memória.
O resultado não se fez esperar; o penta esfumou-se e o BPN recuperou os seus cem milhões adiantadamente, creio.
E é isto que muitos benfiquistas não perdoam à atual Direção; a dependência relativamente a um dos administradores de um dos principais rivais, e esta pretensa magnanimidade relativamente a estes, apesar de, reiteradamente, empenhados na infame tentativa de destruição da reputação do Benfica, visando, objetivamente, inviabilizar o seu financiamento no mercado de capitais e o seu estrangulamento financeiro.

António Barreto - Peniche

(Continua...)

Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post

3 comentários via Blogger

  1. Muito bem. Subscrevo inteiramente.

    ResponderEliminar
  2. Se o caro Viriato publicou alarvosidades dum sujeitinho malcriado, decerto terá todo o prazer em publicar comentário(s) contraditórios e com a mesma clareza que decerto estarão a ser preparados por quem é pago (dizem que muito bem) para isso!
    Pessoalmente, obrigado ao Barreto pela clarividência das suas opiniões!
    E que cada um interprete como quiser!
    Democracia não começa nem acaba no voto electrónico!

    ResponderEliminar

Publicar um comentário



Mensagens populares

É o futebol português no seu melhor

A ordem de LFV é abafar o assunto empresa do filho de Fernando Gomes.

Os funcionários da propaganda de Vieira pagos com dinheirinho do Benfica já receberam ordens para não tocar neste assunto nem que a Porca tussa.

A ordem de LFV é descredibilizar Rui Gomes da Silva e arruinar a sua imagem de bom Benfiquista e homem de carácter. Isso sim é importante. Isso e continuar o bajulamento de Vieira na BTV e nos jornais amigos em que tudo serve para escrever Odes a LFV. O Jornal a Bola é um bom exemplo da vassalagem a LFV.

Descredibilizar o jornalista que fez essa peça jornalística também não está fora de questão. Aliás é método habitual da propaganda de Vieira. O mensageiro é sempre o malandro. Ai não.

Os jornais amigos e os jornalistas amigos também nada vão falar.

Vão todos se calar. Os interesses são muitos para ousarem criticar Fernando Gomes protegido de LFV, Pinto da Costa e Jorge Mendes.

É o futebol português no seu melhor.

A culpa é dos adeptos que votam nestes dirigentes podres.

LF…

Bruno de Carvalho - Pólvora seca.

Os canhões do tempo das caravelas de Vasco da Gama funcionavam e bem, já que lhe deram importantes vitórias, porém, o canhãozinho deste Bruno de Carvalho está carcomido e ferrugento pelo tempo. Nem para Museu serve.

Quando concorreu às eleições de 2009, tinha apenas 8 anos de sócio pelo que, passados estes 11 anos terá quando muito, 19 anos de sócio. 

Ainda não será desta nem nas próximas eleições de 2024 que poderá ser candidato.
A golpada nos estatutos feita em 2010, serviu também para estes Brunos de Carvalhos

Já se sabia (pelos pombos correios) que a "estrutura"  iria lançar um candidato para desgastar RGS que depois desistiria, em favor da "nobre causa".

A partir de agora e até às eleições - pelo menos 10 dias antes de desistir - terá o tempo de antena necessário para fazer o  trabalho de "toupeira", a fim de minar o relvado do candidato RGS.

Podiam ao menos arranjar um que fosse mais credível e não um charlatão que nem sequer pode concorrer!

Aquela …

Voto electrónico? Só nas eleições é que é bom...

Bora lá perceber isto.

Luís Nazaré acha que, face à pandemia com que se vive nos dias de hoje, melhor seria que na Assembleia Geral para o orçamento prevista para Junho, os votos para a sua aprovação fossem por via electrónica para o site do Glorioso.

A chatice é que Vieira não controla os votos do site, mas sim naquele "voto electrónico" para onde os sócios, feitos manada, vão àquele redil instalado no canto do pavilhão, votar naquela "maquinazinha" que lá está à espera do "gado que não foi tresmalhado", desculpem-me a expressão!

Não há dúvida que os sócios são uma chatice...
E quando são chatos nada é melhor que um apertão no pescoço...

Como é possível que Vieira, tão amigo nas novas tecnologias, entenda que uma é má, a de Junho...e outra é que é boa, a de Outubro!!!

Se havia alguma dúvida que o "voto electrónico" servia os interesses de Vieira para continuar a fazer de Kim Jong-un, esta "sua teimosia" acaba com todas elas.

Será que …

LFV apoia Fernando Gomes e Pedro Proênça

LFV, o Presidente do Benfica, apoia inequivocamente Fernando Gomes para um novo mandato.

Fernando Gomes, que vem directamente da SAD do FCP, apanhado nas escutas do Apito Dourado a distribuir bilhetes/convites.

LFV, o Presidente do Benfica, apoia inequivocamente Pedro Proença para Presidente da Liga. Pedro Proença, árbitro que enquanto esteve no ativo beneficiou sempre o FCP em prejuízo do SLB.

LFV, o Presidente do Benfica veio exigir árbitros estrangeiros depois de o Benfica ter sido novamente prejudicado contra o FCP.
Mas depois vemos fotografias de LFV e dirigentes do Benfica a abraçarem um árbitro que prejudica sempre o Benfica.

O Benfica reclama que a SPorttv é parcial, esconde/manipula imagens para que o VAR beneficie o FCP e prejudique o Benfica. Sendo que, LFV fez um acordo com a NOS em que as mensalidades da BTV vão para a NOS (que detem 25% da Sporttv) e conteúdos da BTV (Liga Inglesa por ex) passaram de imediato da BTV para a Sporttv, salvando-os da falência.

Os benfiquist…

ELEMENTAR, MEUS CAROS!

Que tenhamos um poder político que recorrentemente ceda à política dos “lobbies”, para mais tarde beneficiar do retorno influenciador que esse gesto possa suscitar, já não é novidade nenhuma para ninguém, o que já me parece mais estranho, ou talvez não, é que aquilo que se decida no Terreiro do Paço tenha que ter a aprovação “urbi et orbi” obrigatória dos autarcas e forças vivas da Área “Napolitana” do Porto, que por históricos preconceitos provincianos de inveja em relação a Lisboa, não aceitem, ainda hoje, a sua irrelevância geográfica, quiçá, por culpa de Napoleão que não lhes deu cabo da arrogância e não os soube meter na ordem, ou então, por convicção e excesso de um liberalismo mal enxertado, com pontas de tiques regionalistas a precisarem urgentemente de serem desbastadas.

A intenção descarada com que o primeiro-ministro de Portugal se predispôs transferir o Infarmed, de Lisboa para o Porto, à revelia dos seus funcionários, que não seriam tidos nem achados nesta persecutória e …

Para o Sr. presidente o Benfica é a visão dele

A noite de hoje foi marcada pela entrevista do presidente do nosso Clube. Foi uma entrevista bem conduzida e que mostrou um presidente que vive alheado do Sport Lisboa e Benfica, clube desportivo.

Um presidente que se reduz a uma visão comercial, empresarial do Clube. Alguém que acha que os Benfiquistas se devem conformar com as derrotas. Que acha que as opiniões diferentes da sua são anti-Benfiquistas. Que fala de forma ligeira da recente demissão do presidente da mesa da assembleia geral. Uma trivialidade que se resolve com um almoço.

Vimos um presidente em auto-elogio constante. Que se considera o "melhor presidente da História do Benfica". Uma falta de humildade que em nada se coaduna com a tradição dos nosso dirigentes, especialmente aqueles dos períodos - esses sim - da nossa História. Comparar esta postura com a que mostraram gigantes como Joaquim Ferreira Bogalho, Maurício Vieira de Brito. Borges Coutinho...

Estamos neste ponto: o Benfica segundo o Sr. Vieira é bom para…

UMA IMAGEM QUE VALE POR MIL PALAVRAS!

Olhando assim de soslaio para a fotografia, mais parece uma aula de preparação de jiu-jitsu, dada ao vivo pela presença do grande chefe cinturão negro.

Os participantes estão todos devidamente munidos de máscaras, como convém, e avaliar pela amizade que une o Benfica à China, tudo leva a crer que as mesmas tivessem sido importadas daquele país do Oriente de um lote que foi desviado por Jorge Mendes para as Ilhas Caimão, mas que entretanto já fora recuperado.

Tiago Pinto parece não estar ainda muito familiarizado com a máscara ou então terá ficado com uma pulga atrás da orelha por não estar bem sintonizado com as palavras sábias do grande chefe.

Bruno Lage coloca-se numa postura que lhe é peculiar e habitual, apropriada à disposição com que vai encarar o que falta disputar do campeonato.

Isto é, de braços cruzados. LFV, depois de ter estado uns dias a fazer solário, para ver se ficava igual ao António Costa, com quem, aliás, esteve reunido em São Bento, para o chá dos 5, parece estar …

Deixa ver se percebo...

Vieira (que se acha dono do Benfica) não quer  que a AG do orçamento, marcada para Junho, seja aprovado (ou não, para ele tanto faz...) por via digital  no site do Benfica.

Luis Nazaré, acaba de bater com a porta (já vai tarde) porque acha, dada as condições sanitárias do momento, o mais correcto seria o voto digital, em vez de albergar centenas de sócios num pavilhão fechado.

Por mim, prefiro que a tese "do dono" do Benfica vingue, porque dessa forma haverá debate...ou apertos no pescoço para quem discordar...

O que já não entendo, é que Vieira, vieiristas e situacionistas achem que o voto digital para o orçamento não serve, mas o voto electrónico para as eleições, já serve!!!

E o mais engraçado, é que essa gente que comunga a hóstia e as homilias ministradas por este Padre Vieira, acham que o Ministro da Paróquia, tem razão.

E o mais engraçado ainda, é acusarem os anti-Vieiras como eu, de sermos a favor do voto digital e  contra o voto electrónico.

Como é?  Entendam-se!

Pa…

Que mística terá um Benfica cada vez menos Benfiquista?

Eu sonho com o Benfica que me fez Benfiquista e não foi o Benfica do Vieira que me fez amar este clube mítico.

Aliás, quando me apaixonei por este clube, no início da década de 80, o Vieira nem sócio do Benfica era, já era de outros dois clubes, mas do Benfica não era de certeza.

O Vieira fez obra, fez, obrigado por isso (apesar de ter sido sempre a favor da remodelação da antiga Luz em vez da construção da actual), fez um belo centro de estágio, mas os campos 2 e 3, com um valor de terreno bem maior que o Seixal inteiro, foram vendidos.

E quanto ganharam as empresas de construção geridas pelo filho e as outras dos amigos com esse betão todo?

Fez bons planteis, teve que os fazer, teve que ganhar, senão já tinha sido corrido, mas o que ganhamos dá sempre a impressão de ser o qb para o manter no poleiro.

Prometeu um Benfica europeu, mas que Benfica europeu consegue existir, quando se vende tudo o que tem qualidade, muitas vezes até contra a vontade imediata dos jogadores, e se compra t…

André Luiz. Trunfo para a campanha?

A estratégia de LFV para ser reeleito vai passar por aí também, propaganda, jogadas de bastidores, denegrir na imagem de RGS por terceiros, enfim, sonso e velhaco sabendo das suas limitações em relação a RGS, não vai para o debate de confronto directo, vai utilizar as armas de quem está no poder para se manter onde está.

RGS é um candidato incómodo, o único que o confronta, que chama os bois pelo seus nomes, que se chegou à frente e que ao contrário do que tentam passar de forma superficial, que é político, até aí essa afirmação é superficial, que saiba o homem exerceu cargos de nomeação política, mas por inerência não vive da política ao contrário de muitos que fazem disso carreira.

É sócio principal de um escritório de advogados profissão que exerceu desde sempre.

RGS é BENFIQUISTA dos sete costados, ama o GLORIOSO, claro que não pode agradar a todos, e como qualquer outro está sujeito a críticas, mas sendo alguém com alma BENFIQUISTA, sem motivos para se agarrar ao poder que não s…